Equipe de Química participa do ENEQ

O coordenador de Química, Ricardo Almeida, e os professores, Rodolfo Tasca, Rosiani Telles e Vanderiza Rodrigues (Vanda) participaram do XVI Encontro Nacional do Ensino de Química (ENEQ). Esse evento acontece a cada dois anos e é promovido pela Divisão de Ensino de Química da Sociedade Brasileira de Química (SBQ) e organizado por Instituições de Ensino Superior brasileiras.

O encontro estimula a pesquisa no ensino de Química em todo o país, e tem como objetivos reunir professores e estudantes e incentivá-los a refletir sobre as ideias e produções acadêmicas ligadas à área.

Em 2012, o encontro aconteceu na Universidade Federal da Bahia, em Salvador. Durante 4 dias, o ENEQ recebeu cerca de 2 mil participantes, entre estudantes, professores e pesquisadores para discutirem, como tema central, “O ensino de química: Consolidação dos avanços e perspectivas futuras”. Dentro desse tema, os presentes refletiram sobre experiências passadas, atuais e futuras.

Os quatro professores, enviados pelo Bandeirantes, participaram de vários minicursos, como o “Modelos atômicos no início do século XX” e também o “Educação Química com Computadores”, além de outros relacionados como sustentabilidade e práticas de ensino de Química Orgânica. “Estes encontros são fundamentais para estreitar as relações entre a produção científica das Universidade e o Ensino Médio”, acredita o coordenador Almeida. “Tudo o que aprendemos é repassado, de várias maneiras, aos nossos alunos”, completou.

Oficina explora uso criativo do tablet

As novas tecnologias podem deixar de agregar valor caso não sejam usadas de forma inovadora e adequada. Por exemplo, de que vale o iPad se esse só for utilizado como uma grande calculadora? Capacitar tem sido uma regra dentro do Band. O Colégio investiu na compra de tablets desde 2011, mas as oficinas para seu uso também são uma realidade, já que, no mundo todo, o universo educacional ainda explora lentamente o potencial dessa ferramenta.

No último dia 11 de setembro, cerca de 30 professores estiveram presentes na oficina realizada no Band. Os objetivos do encontro foram revelar novas alternativas de uso e explorar aplicativos já conhecidos pela equipe de professores.

Uma dúvida constante dos educadores, por exemplo, é o quanto um tablet pode causar dispersão nos estudantes em relação à atividade proposta. Segundo a coordenadora de Tecnologia Educacional do Band, Silvia Vampré, a maneira de neutralizar o problema será justamente com professores bem capacitados que desenvolvam boas atividades a fim de engajar o aluno na proposta da aula e evitar distrações. “Dentre as vantagens de se ter o tablet em sala de aula, está a possibilidade de utilizar livros-texto riquíssimos em recursos multimídias com vídeos, áudios, galeria de fotos, animações, simulações e a grande quantidade de aplicativos disponíveis”, acredita.

Dentre os aplicativos apresentados na oficina estava o PDF Notes, um excelente meio para ler textos, grifar frases importantes, fazer anotações e deixar recados nos arquivos. Com ele, as apostilas do Band, por exemplo, podem ser consultadas e até serem comentadas durante a aula, sem o uso e desperdício de papel. Outro aplicativo interessante explorado foi a sala de aula virtual do Socrative, que permite transformar a sala de aula em um ambiente estimulante e interativo. Além disso, o aplicativo rastreia as respostas e fornece dados para que o professor conheça a performance dos alunos e aja de acordo com a realidade demonstrada.

Aplicativos voltados ao conteúdo de aula também foram mostrados, tais como o jogo Hanói, o Google Earth, e outros utilizados para visualizar células vegetais e a circulação do coração, por exemplo.

A vantagem dos tablets, segundo vários professores que já o utilizaram, é que garante uma atenção diferente dos estudantes. Por ser um instrumento moderno, e que muitos já têm em casa, os faz sentir mais animados para trabalhar nas atividades educativas. A experiência feita pela equipe de Português, na qual os alunos utilizaram os iPads para fazer pesquisas pelo colégio, obteve resultados estimulantes.

A próxima oficina de uso de tablets acontece dia 20 de setembro.

Geografia e Audiovisual

Os professores Ana Paula Zanini, Fernanda Zuquim, Leda da Silva e Lucas Costa participaram do XVII Encontro Nacional de Geógrafos, enviados pelo Band. Durante uma semana assistiram às palestras e mesas redondas que ocorreram no campus da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

O evento, que acontece a cada dois anos, tem o objetivo de reunir a comunidade de geógrafos brasileira para debates e atividades que permitam avaliar questões do pensamento geográfico no país. O ensino de Geografia é um dos temas presentes. Durante o evento deste ano, graduandos, mestrandos, doutores e especialistas puderam expor seus trabalhos e pesquisas aos visitantes.

“O tema de 2012 foi ‘Escalas, poderes, ações, geografias’. Os eixos discutidos variavam entre economia, meio ambiente, educação, linguagens, dentre outros”, explicou a professora Fernanda Zuquim.

O eixo que mais chamou a atenção dos professores foi aquele sobre a utilização de linguagem audiovisual. Uma equipe da Unicamp apresentou uma pesquisa discutindo a forma de uso da imagem (como a foto e o vídeo) na educação, e qual seria a melhor maneira de usá-la no aprendizado da Geografia.

“No Band já utilizamos muito produções audiovisuais. Os alunos produzem vários vídeos para as aulas e os resultados são sempre muito bons. O trabalho com vídeo estimula linguagens e habilidades em sua produção. Os estudantes precisam preparar um roteiro, e organizar todo o resto”, explicou Fernanda. “O que vimos na palestra foi uma fundamentação teórica sobre o uso de imagens e queremos trazer isso para o Colégio”, esclareceu.

Para aprimorar o uso de linguagens da comunicação nas aulas, e melhorar a qualidade dos trabalhos, os professores de Geografia do Band estabeleceram um diálogo com a equipe da Unicamp, que virá ao colégio para palestras ainda este ano.

Aprendendo mais sobre o psicodrama

A professora de Química, Rosiani Telles, foi a Brasília participar do 18º Congresso Brasileiro de Psicodrama. O evento, que acontece a cada dois anos, teve “O Poder” como tema central. “Foram trabalhados vários tipos de poder. Fui a uma apresentação sobre “o poder e a educação”, por exemplo, que envolvia o aluno, o professor e os pais no processo de formação de um indivíduo”, exemplificou.

O psicodrama é uma representação dramática, usada como exploração da psique humana e seus vínculos emocionais. “No Congresso as pessoas não vão somente para assistir, mas para participar também. Existe envolvimento e ação. Você traduz com o corpo o que está sentindo; muitas vezes ele diz mais que as próprias palavras”, explicou a professora.

O Bandeirantes, que tem muito interesse e utiliza com frequência as técnicas do psicodrama, investiu em Rosiani, para que ela trouxesse novas ideias ao Colégio. Trata-se de um método muito empregado em atividades relativas à formação docente. Levando cenas do dia-a-dia para o palco, os professores trabalham, através do teatro, a construção de outras possibilidades para se resolver um desafio que vivenciaram. A psicóloga e consultora do Band, Stela Fava, e a coordenadora de CPG, Estela Zanini, por exemplo, trabalham com o método na “Oficina do Professor”, grupo do qual a Profa. Rosiani faz parte.

“Pelo psicodrama é possível fortalecer e melhorar as relações entre professor e aluno, professor e professor, professor e funcionário, entre outras. O objetivo, e o que procurei aprender no Congresso, é como trabalhar com a técnica com os alunos aqui no Band”, concluiu Rosiani.

Visita ao universo dos cosméticos

A cada bimestre, os professores de laboratório de Química costumam visitar uma indústria ou empresa relacionada à área. A última delas foi ao Laboratório Aclimação, localizado próximo ao Bandeirantes. Na empresa são produzidos, desde 1934, a Loção Brilhante e o Creme Rugol, tradicionais cosméticos comerciais.

A coordenadora do Laboratório de Química, Elisabete Rosa, e os professores Elisa Bombonato, Fabio Siqueira e Lilian Siqueira passaram um dia com profissionais da empresa, acompanhando de perto a rotina de pesquisas e experimentos. “Vimos que eles produzem filtro solar com fator de proteção. Descobrimos que temos, aqui no Band, as substâncias utilizadas na produção desse cosmético”, contou a coordenadora.

Durante a visita, puderam também constatar que o laboratório produz cosméticos de primeira, como os importados por preços exorbitantes. “Eles desenvolvem, aqui mesmo no Brasil, cremes e cosméticos com material importado. Muitas vezes são tão bons quantos os feitos lá no exterior”, explicou Bete.

O objetivo das visitas é repassar aos alunos a experiência e assim ajudá-los a descobrir a gama de atividades de trabalho que envolvem um químico ou um engenheiro químico em laboratórios e empresas da área.

Prof. Régis visita dOCUMENTA e Bienal na Alemanha

O coordenador de Arte, João Regis Lima, passou sete dias na Alemanha, enviado pelo Bandeirantes, visitando a Bienal de Berlim e uma das exposições de artes mais importante do mundo, a dOCUMENTA de Kassel. Essa última acontece a cada cinco anos e chegou à sua 13ª edição. “Diferentemente de várias Bienais que são engrandecidas pela cidade em que se realizam, em Kassel a cidade é engrandecida pela exposição”, explicou Regis.


Este ano, a dOCUMENTA teve um caráter político fortíssimo e aconteceu em mais de uma cidade. A exposição se deu simultaneamente em Cabul (Afeganistão), Alexandria/Cairo (Egito) e Banff (Canadá). “A mostra procurava discutir o status da arte contemporânea “europeia” no mundo não-europeu, e o status da arte contemporânea “não-europeia” no mundo ocidental”, disse o coordenador.

Muitas obras vieram do Oriente Médio e do norte da África. As referências à 2ª Guerra também marcaram a exposição. “Um evento que me chamou particularmente a atenção: fui à antiga estação de trem de Kassel, e lá recebi um iPod que exibia um vídeo da mesma estação, porém com cenas gravadas que se referiam aos tempos da Guerra, quando judeus ali embarcaram a caminho dos campos de concentração. Tive que seguir o percurso que o vídeo traçava. Era incrível o contraste entre o que se via no vídeo e o que se via ao vivo na própria estação. Enquanto o vídeo mostrava, em alguns momentos, o horror da guerra, na realidade eu não via nada ao meu redor”, contou Régis.

Ele ainda pôde conferir brinquedos feitos de cápsulas de bala e um vídeo que comparou dois prédios bombardeados, o que estava recebendo a dOCUMENTA e outro em ruínas, no Oriente Médio. A pergunta pairava ano ar: “Por que um foi reformado e o outro foi esquecido?”.

As atividades que envolvem arte no Bandeirantes vão ganhar muito com essa experiência. O coordenador absorveu conhecimento e experiências que pretende trazer para cá.

“A arte fala mais do que muitas palavras, tem um grande poder de síntese e toca faculdades humanas que não são tocadas por outros meios. O que vi se transformará em provocações, em estímulos que vão além do conhecimento ao qual o aluno está acostumado. Queremos ampliar os horizontes dos estudantes.

Os nossos alunos poderão pensar muitas das mesmas questões abordadas nas aulas, mas a partir de pontos de vista inusitados e surpreendentes, o que faz parte da vocação da arte”, finalizou Regis.

O professor Regis fará uma palestra no colégio, sobre a visita à dOCUMENTA e à Bienal de Berlim, no dia 21/09, às 10h, na sala A-31. O convite é aberto a pais e ex-alunos. Os interessados devem se inscrever junto ao Departamento Cultural do Colégio.

Confira o blog mantido pelo Prof. Régis em sua viagem à Alemanha clicando aqui.